Wednesday, June 1, 2016

Paper Girls 1(comics)


No fim de semana passado fui ao Festival de BD de Beja para lançar o meu livro, Altemente - volume 1, e aproveitei para fazer umas comprinhas nos minutos livres...
Entre os poucos livros adquiridos que o meu orçamento de estudante permitiu consta a primeira compilação da nova série da Image Paper Girls.

Já conhecia esta série há algum tempo; tinha visto alguns números na BD Mania e o desenho da capa tinha-me chamado à atenção mas, no entanto, nunca tinha chegado a ler. Mais tarde, minha cara amiga Rita Silvestre recomendou-me vivamente que lê-se Paper Girls, e tomando isso como um sinal de que a minha suspeita de que era uma boa série estava certa, aproveitei a oportunidade e comprei esta compilação dos primeiros volumes.

Passando à parte técnica introdutória... Paper Girls é escrito pelo Briank K. Vaughan, o mesmo argumentista de Saga, e desenhado por Cliff Chiang (mas as cores são de Matt Wilson).
Fiquei surpreendida, de facto! Estava um bocado exitante, tinha medo de não me interessar muito pela história (como aconteceu com Saga, ao ínicio) mas a verdade é que fiquei vidrada logo nas primeiras 4 páginas!
A história começa em 1988 num bairro suburbano americano, quando um grupo de raparigas de 12 anos testemunha um acontecimento sobrenatural que ultrapassa qualquer noção de espaço/tempo e quebra qualquer barreira de realidade. A narrativa é fluída e rítmica, apesar de ser intensa; demora tempo a desenvolver, sem notarmos por isso, porque os acontecimentos têm o ritmo bem orientado e o suspense é bem acentuado, o que torna a história super interessante e dá cada vez mais vontade de saber o que vai acontecer depois.
Quanto à arte, é quase impossível apontar coisas negativas. De alguma maneira, faz lembrar Fiona Staples em Saga - o desenho é limpo e vagamente estilizado, mas super expressivo, enquanto a paleta de cores foca-se mais em criar ambiente/sensação do que ter a preocupação de ser realista. De qualquer forma, com o tipo de reputação e background que Cliff Chiang tem, é bastante presunçoso e pedante da minha parte tentar dizer seja o que for em reacção ao trabalho dele, tirando o que é relativo ao meu gosto pessoal. Qualquer outra apreciação é inútil e já foi certamente dita mil vezes por outras pessoas mais ou menos entendidas no assunto. É que às vezes sinto-me ridícula neste tipo de situações... mas esqueço-me que criei este blog para isso mesmo, falar de BD despreocupadamente.
Bem, continuando e ignorando o aparte, apesar das parecenças que me parecem existir entre a Fiona Staples e Cliff Chiang (e se concordarem, também admitem que não é muito surpreendente visto que trabalharam os dois com o mesmo argumentista...) acho que prefiro o desenho do C. Chiang - mas apenas porque sinto que o tratamento do desenho dele é melhor, se é que me vou conseguir fazer entender... No caso do Saga, o desenho é mais estilizado, apesar de ter um traço realista, mas os fundos parecem-me demasiado menosprezados e às vezes dá a impressão que as personagens são colagens em cima de fundos desfocados. No Paper Girls, o contraste fundo/personagens não é tão abismal e por isso acho que resulta melhor. Em vez de jogar só com as cores, Chiang também faz proveito da grossura das linhas para dar destaque àquilo que está em primeiro plano e é importante em relacção ao que é só paisagem. Não consegui encontrar nenhuma informação que mo provasse, mas em Paper Girls, o lineart parece ser tradicional e desenhado com uma caneta de tinta com o bico achatado, semelhante a uma caneta caligráfica, que na minha opinião dá imensa expressividade ao desenho.
Mesmo assim, um dia gostava de dar outra oportunidade ao Saga, porque apesar de tudo continua a parecer um trabalho excelente e boas críticas/comentários não lhe faltam.

Saga
Paper Girls

Enfim, agora vou ficar à espera que saiam mais números de Paper Girls e foi sem dúvida uma boa compra!
Recomendo a toda a gente que gosta de Sci-Fi que escapa a clichés e naves espaciais que fazem PEW PEW.

e prometo, mais uma vez, que vou tentar escrever aqui mais vezes.
Inté!