Saturday, March 5, 2016

Skim (graphic novel)


Já faz algum tempo que não escrevo aqui sobre um livro específico, mas hoje vim quebrar essa falha através desta obra da Jillian e da Mariko Tamaki, as mesmas autoras de This One Summer (aquele livro de que eu não me calo).

Dizem que o dinheiro não traz felicidade, mas foi com dinheiro que comprei esta graphic novel que, para mim, é a mesma coisa.
Eu encomendei Skim há quase um ano, já acreditava que nunca o iria ter por causa de n razões que justificavam a sua ausência (uma delas o facto de ele estar, aparentemente, esgotado) mas, nesta terça feira, quando me sentei ao estirador do meu atelier para trabalhar, decidi ir ler o email e soube então que o amor da minha vida esperava por mim, na BDMania.

Escusado será dizer que que as minhas expectativas eram bastante altas, visto que a Jillian Tamaki é provavelmente a minha artista de comics preferida, e visto que, tal como This One Summer, esta obra carrega pelos ombros uma série de prémios, não só pela sua arte gráfica brutal mas também pela história e argumento.
Acabei de ler a última página sensivelmente à uns 15 minutos. Tentei ler o livro o mais devagar possível, observei os detalhes das ilustrações com a máxima atenção que o meu sono permitia. Tudo aquilo que descrevi acerca do This One Summer pode ser aplicado a Skim - o detalhe minucioso mas não desnecessariamente realista dos fundos e ambientes, a diversidade entre o design das personagens, o movimento e a anatomia tão bem controlados que é quase poesia visual - não, toda a esta obra é poesia visual. É impressionante como imagens aparentemente tão simples, uma pincelada, um breve apontamento de sombra e umas quantas manchas cinzentas conseguem transmitir tantos sons, sensações, cheiros e sentimentos. 
Pareço uma adolescente babada a falar do namorado, mas a verdade é que não sei muito de amor, mas acredito que seja parecido com isto (ou espero que seja?)

 

Mas continuando pelo que interessa mesmo a vocês, leitores, Skim, editado em 2008fala do drama da adolescência e de questões existenciais, angústia e desgostos de amor através da vida da protragonista, Kim (ou Skim, como lhe chamam) Apesar da minha descrição, também é uma história que dá uma certa esperança. É o mesmo tipo de história que podemos encontrar em (cá está ele outra vez) This One Summer, mas também em Ghost World (Clowes) ou nos short comics do Adrien Tomine. É o que Craig Tompson disse de Blankets - uma história onde não acontece nada, o que para muita gente é confuso ou uma seca. Mas isto acontece porque o objectivo destas narrativas não é chegar a um final,a uma conclusão. Não há um início, meio e fim. O que importa neste tipo de coisa é a reflexão e o que ela simboliza, a interpretação que fazemos e a mensagem que nos fica. É o puro slice of life, literalmente. É como se estivéssemos a simplesmente observar a vida de alguém, o mundo a nossa volta e, tal como a vida real, continua, mesmo depois da morte, continua para quem cá fica.

Portanto, quem espera sempre alcança e fico feliz desta espera ter valido tanto a pena.
Espero que tenham também consigam ler isto um dia, é um must have para qualquer um que goste de uma verdadeiramente boa graphic novel.





Até lá,
Inté.